sexta-feira, 11 de maio de 2018

Se os romanos tivessem internet


Como seria se houvesse internet no tempo dos romanos? Haveria logo uma vantagem enorme: hoje, toda a gente quer tirar uma selfie no Coliseu em ruínas; naquele tempo, daria para fotografá-lo inteiro. Aliás, daria para tirar uma selfie enquanto alguém morria na arena. O que, tanto para o padrão de civilidade da época, como para o padrão Correio da Manhã, é perfeitamente normal. É uma Terça-feira.

Para além disso, no Senado, haveria senadores a mandar postas de pescada no Twitter. “Isto de invadir a Gália vai correr mal” ou “O Cipius Comicus é um humorista de m*rda. Aquela rábula sobre mim não tem piada nenhuma”. O que, para o padrão de civilidade da época, ou para o padrão Trump, é perfeitamente normal. É uma Quinta-feira.

Um general romano chegaria a uma província por conquistar e poderia ter o seguinte diálogo com o representante local:

– Bom dia. Venho conquistar este território.

– Mas ninguém avisou.

– Eu criei um evento no Facebook. Procure aí por “Invasão da Lusitania”.

– Ei, pois é. Vou pôr “Talvez”, não sei se tenho coisas marcadas para hoje.

– Oh amigo, desculpe lá, mas eu enviei um e-mail e tudo.

– Para onde mandou?

– Para lusitania@gmail.com.

– Ei, já não é esse. Agora é geral@lusitania.pt.

– Desculpe lá, mas tenho aqui a tropa toda. Mais de dez mil homens. Não vou para trás de mãos a abanar, agora fazemos a conquista.

– Posso, pelo menos, convocar a malta para a batalha?

– Força, mas só lhe dou até ao fim da tarde.

Entretanto, no grupo de Wattsapp da Lusitania, apareceria a mensagem “Malta, estão aqui os romanos para nos conquistar. Dá para aparecer?”. Suceder-se-iam respostas tais como “Tem que ser hoje?” ou “Hoje tenho jogo de gladiadores, se me magoar não vou poder ir. É muita carga, também preciso de descansar” ou “Não vai dar, esta semana saí todos os dias, a minha mulher já me anda a f*der a cabeça”.

Entretanto, os soldados romanos aproveitariam para procurar no Tripadvisor sítios bons para comer. O mais bem pontuado seria a Taberna Lusitana, com 4.8 pontos, em 2500 avaliações. Surgiriam fotografias de comida, no Instagram, com a hashtag #conquista.

Ao fim da tarde, estariam reunidos os exércitos e apareceriam publicações no Facebook, por parte de soldados de ambas as partes, a dizer “A sentir-se confiante”. A batalha seria sangrenta, mas transmitida num directo do Facebook, os romanos venceriam e começariam a enviar e-mails à Google, para que o Google Maps fosse actualizado: o território passaria a chamar-se “Hispânia” e as ruas também mudariam de nome.

No fim do dia, a Taberna Lusitana mudaria o nome para Taberna Hispânica, mas manteria a pontuação no Tripadvisor.

O Imperador colocaria no Twitter a seguinte mensagem: “Hoje, os lusitanos sentiram a nossa fúria. Eu tinha avisado”. Milhares fariam “Gosto”.

Sem comentários:

Enviar um comentário