sexta-feira, 30 de março de 2018

A noite mais longa dos trolls

Declaro-me solidário com os trolls das redes sociais e garanto ter já criado uma pequena força de intervenção para prestar auxílio a quem está a dar os primeiros sinais de exaustão, depois de ter destilado ódio nas redes sociais, durante mais de três dias, sem descanso.

O passado dia 4 foi dos mais cansativos, em muito tempo. Não para mim, não para ti, talvez, mas para os trolls das redes sociais. Foi um Domingo com um nível de exigência semelhante ao de um treino de uma tropa especial, para os nossos amados internautas responsáveis por nobres tarefas como enxovalhar pessoas em caixas de comentários ou partilhar “fake news” de páginas cujo nome deveria ser suficiente para que ninguém as lesse.

Tudo tem o seu contexto. Vínhamos de um fim-de-semana futebolístico que começara na Sexta-feira, com um Porto-Sporting. Por outras palavras, começou cedo a tarefa árdua, ainda mais intensa ao fim-de-semana, de partilhar conteúdos de gosto ou veracidade duvidosos que possam enxovalhar os gostos clubistas de outras pessoas, sejam eles quais forem. O futebolista cansa-se a jogar futebol, o troll cansa-se a insultar os adeptos adversários. É tudo desporto, portanto.

Mas isto é normal, dia após dia, semana após semana. O problema é que, depois do jantar de Domingo, surge o Festival da Canção. Quando os trolls das redes sociais se preparavam para enterrar os machados de guerra, surgem não sei quantas canções, interpretadas por não sei quantas pessoas, e toca a criticar tudo e todos. “Isto é tudo feito, a RTP é um clube de amigos”, “De que se vestiu aquela gaja?”, “Este gajo é um palhaço”, ou “Que p*** de música é esta? Vamos ficar em último”, são alguns dos pequenos pedaços de paraíso literário que os trolls derramam em caixas de comentários, sob a forma de uma espécie de baba viscosa.

No fim, ganhe quem ganhar, é hora da turba se reunir, tal qual horda de zombies, e desancar em quem ganhou. Terminada esta tarefa, chega a hora dos trolls irem fazer ó-ó, certo?

Errado. Havia noite de Óscares. O troll pousa a batuta de maestro que comenta questões musicais e, em vez do pijaminha, veste o seu fato de gala e pega no seu caderninho de crítico de cinema. Tudo muito bonito, mas o troll não tira a camisola de imbecil "futeboleiro" e acaba por invadir as caixas de comentários das redes sociais com críticas aos filmes que ganham, acompanhadas por elogios aos filmes que deveriam ter ganho, inclusivamente, o “Velocidade Furiosa 42” e o “Vingadores: Guerra de Cenas e o Hulk”.

Sobre o movimento “Me Too”, os trolls pensam tratar-se de uma hashtag fixe para colocar no Instagram, a acompanhar uma foto no ginásio.

Pelo meio, continua a morrer gente na Síria e a Itália está em pantanas. Os poucos trolls que sabem que a Síria e a Itália são países consideram que a culpa é do sistema. Talvez seja dos poucos momentos em que têm razão. Só não sabem que o sistema somos nós todos.

Troll, se me estás a ler, enxovalha este texto que eu farei com que os primeiros socorros cheguem até ti.

Sem comentários:

Enviar um comentário