terça-feira, 16 de janeiro de 2018

O futuro é feio

O Governo chinês está a desenvolver um “sistema de crédito social”, que consiste num método de classificar os cidadãos, num ranking, consoante os dados que eles fornecem a empresas tecnológicas ligadas ao consumo e, com isso, garantir-lhes ou vedar-lhes o acesso a determinados bens ou serviços. Parece um episódio do “Black Mirror”.

A disputa entre Rui Rio e Santana Lopes pela liderança do PSD ficou marcada muito mais pelas questões pessoais, tais como descobrir quem foi mais fiel ao partido e quem falou menos vezes com o Pacheco Pereira, nos últimos quinze anos, do que pelas políticas que cada um tinha para o país.

Tenho uma amiga que diz que o vizinho do 5.º esquerdo faz voluntariado e é muito educado e prestável (no fundo, uma jóia de pessoa), mas não gosta dele porque ele, uma vez, chegou bêbado a casa, às cinco da manhã, e cantou o hino nacional, sem erros, na escada do prédio, enquanto urinava num vaso.

O primeiro e o segundo exemplos preocupam-me um pouco, mas o terceiro deixa-me aterrado. Quem nunca cantou o hino bêbado? Assim se cria má vizinhança, sem necessidade nenhuma.

Todos estes exemplos demonstram como a sociedade das redes sociais e dos “reality shows” está a tornar as questões pessoais o centro de tudo. Qualquer dia, a sociedade vai empolgar-se com as eleições, que serão decididas, palmo a palmo, entre multas de estacionamento e número de palavrões ditos, nos últimos quatro anos.

Não demorará muito tempo até que uma selecção de um candidato a um posto de trabalho se faça da seguinte forma.

- Chefe, temos aqui este candidato. Doutorado em Engenharia Espacial.

- Eh pá, sim senhor.

- Dados retirados da sua pulseira de actividade desportiva indicam que se deita sempre muito tarde e que tem uma vida sexual muito activa.

- Eh pá, o gajo é um javardo. Deve ser daqueles que vêm trabalhar cheios de sono.

- Tem mais dois doutoramentos: um em Física Quântica e outro em Química.

- Eh pá, notável.

- Mas tem perfil no Tinder e já pagou uma vez por sexo, na despedida de solteiro de um amigo.

- Eh pá, o gajo é um libertino. Vai meter-se com as miúdas todas aqui na empresa. Isso dá mau ambiente.

- Foi uma vez ao espaço. Foi medalhado em natação, nos últimos Jogos Olímpicos.

- Eh pá, sim senhor, um homem de acção.

- Teve seis multas de estacionamento nos últimos dez anos.

- Ui, o homem qualquer dia fica sem carta. Não queremos isso, depois chega sempre tarde ao trabalho.

- Tem oito patentes registadas, na área da robótica.

- Eh pá, um inventor!

- Gosta da saga “Velocidade Furiosa”.

- Ui, isso é azeiteiro. Depois vai pôr aqui a música alta.

- Deu aulas no M. I. T., durante dois anos.

- Eh pá, um professor.

- Nas últimas presidenciais, votou num candidato de esquerda.

- Eh pá, um revolucionário, ainda nos faz aqui uma greve.

- Faz voluntariado.

- Eh pá, um homem que percebe o seu papel na sociedade.

- Uma vez, chegou a casa bêbado e cantou o hino nas escadas do prédio, enquanto urinava num vaso.

- De facto, este gajo é muito qualificado. Mas a conduta deixa a desejar. Não tens mais ninguém?

- Tenho esta candidata, doutorada em…

- O que pensa ela dos direitos das mulheres?

- Uma vez, publicou nas redes sociais que o sexismo era um dos entraves ao desenvolvimento da sociedade.

- Esquece, é feminista. Vai engravidar mal a contratemos.

- Mas tem seis doutoramentos e os seus métodos ajudaram a recuperar uma empresa que estava perto da falência. Devíamos considerar…

- Esquece. Tens mais alguém?

- Tenho este gajo. Licenciatura em Engenharia Informática por concluir, só trabalhou seis meses, nos últimos cinco anos, porque rejeitou todas as propostas de trabalho. Mas diz a pulseira dele que nunca se deitou depois das 23h.

- Liga-lhe.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Vinte e cinco anos a escrever SMS's

No passado dia 3 de Dezembro, fez 25 anos que foi enviada a primeira SMS. Na altura, o engenheiro britânico Neil Papworth enviou, através de um computador (os telemóveis não tinham teclados com letras), a mensagem “Merry Christmas” (“Feliz Natal”) para o telemóvel de um funcionário da empresa que estava a testar o sistema.

Se pudesse, este funcionário teria respondido o mesmo. Ou, então, “Hoje vamos ver a bola em casa do Peter” (fim de mensagem), “Aparece” (fim de mensagem), “Traz cerveja” (fim de mensagem), “Afinal não é preciso cerveja” (fim de mensagem), “No fim, jogamos um póquer” (fim de mensagem), “Afinal não vamos jogar póquer” (fim de mensagem), “O Louis tem que ir para casa cedo, senão a mulher dele tripa” (fim de mensagem), “Já sabes como é” (fim de mensagem), “Golo do Chelsea” (fim de mensagem), “Então, não vens?” (fim de mensagem).

Terão sido as pinturas rupestres as primeiras SMS? Será que, algum dia, um ser humano  terá escrito, na parede de uma gruta “Encontrei mamutes no vale” (fim de mensagem)? Será que outro ser humano terá respondido “Não te aproximes, um deles atacou-me” (fim de mensagem), “Ia-me dando uma valente bordoada”, “LOL” (fim de mensagem)?

Quando surgiram, as mensagens escritas eram uma espécie de tecnologia futurista vinda de outro planeta. Com aqueles telemóveis do tamanho de um sapato, podíamos escrevinhar uns textos curtos e enviá-los a outra pessoa. Pagava-se para se fazer isto. O que representa alguma justiça: quando os seres humanos comunicavam por sinais de fumo, não havia lenha infinita para fazer fogueiras. Custava apanhá-la.

Com esta necessidade de gerir a lenha, os sinais de fumo foram sendo usados com critério. O mesmo que existia nos primórdios das SMS: valia tudo para poupar caracteres. Era possível, naqueles tempos, receber uma mensagem a dizer “E s fsses p o crlh?” (fim de mensagem). Uma vez que eu era, e calculo que o meu leitor também, uma pessoa de bem, ficaria incrédulo com tal impropério, e responderia “Pk?” (fim de mensagem). Certamente que a resposta seria “Dscp, enganei-m no nr” (fim de mensagem).

Pumba, meia dúzia de cêntimos à vida, a mandar a pessoa errada para o “crlh”. Bons tempos.

Hoje, vale tudo. Temos tantos meios de conversação que nem sabemos qual usar. Dizemos coisas a mais. Não só, perdemos o poder de síntese, como, pior, não sabemos seleccionar a informação essencial. “Hoje não vou poder ir ao jogo.” (fim de mensagem), “Tenho dores no joelho” (fim de mensagem), “Já na semana passada me doeu” (fim de mensagem), “Mas também tenho umas cenas para tratar” (fim de mensagem), “Nada de especial” (fim de mensagem), “Acabei com a minha namorada” (fim de mensagem), “E o nosso planeta foi invadido por extra-terrestres” (fim de mensagem), “Está a dar na televisão” (fim de mensagem), “Vamos ser todos aniquilados” (fim de mensagem), “Calha bem, porque tinha que pagar agora o seguro do carro” (fim de mensagem), “LOL” (fim de mensagem).

Felizmente, os nossos pais e avós mantêm o poder de síntese à antiga: continuam a gerir os caracteres das SMS como se fossem diamantes. Não porque elas sejam caras, mas porque detestam comunicar desta forma e ter que escrevinhar nestes aparelhos. Às vezes, são demasiado telegráficos. “A que horas vens jan8” (fim de mensagem) ou “Tens bacalhau do almoço no mi37” (fim de mensagem) são mensagens que, infelizmente, foram enviadas antes de estarem escritas mas que, felizmente, aprendemos a descodificar com o tempo.

Mas o maior feito no mundo dos SMS é o dos bêbados: enviar uma mensagem escrita com excesso de álcool no sangue é mais difícil do que aprender Islandês, para não referir como pode ser perigoso. É incrível como, sempre que bebemos em demasia, alguém mexe nas definições do nosso telemóvel, às escondidas, e depois as letras que queremos introduzir não são aquelas que realmente introduzimos. Alguém devia investigar isso, porque só mexem no telemóvel quando bebemos.

E é curioso que, muitas vezes, um bêbado fica com uma enorme vontade de enviar duas ou três mensagens a uma pessoa (ou mais?), de cariz geralmente emocional-sexual, mensagem essa cuja autoria poderá ser, no dia seguinte, negada até à exaustão.

“Achas mesmo que eu te mandava isso? Alguém pegou no meu telemóvel e enviou uma SMS para um número da lista, à sorte. Eu nunca te diria uma coisa dessas” (fim de mensagem), “Mas já que estamos a falar, desejo-te um Feliz Natal” (fim de mensagem), “Isto se não nos virmos antes” (fim de mensagem), “Queres ir tomar um café?” (fim de mensagem).