Alguns tipos de convidados de casamento

Seja qual for a proveniência dos noivos, um casamento tem sempre alguns tipos de convidados que podemos encontrar em qualquer casamento. Elencar todos os tipos seria impossível, mais difícil do que elencar todas as espécies de pássaros, mas vou tentar apresentar algumas das aves menos raras dos casamentos.

(águahotels/Flickr)
Decadente – Geralmente, homem. Começa o casamento em óptimo estado, mas a primeira gota de álcool vai iniciar uma vertiginosa descida ao fundo do pântano. Vai tentar seduzir todas as convidadas (até aquela tia solteira de 62 anos) e vai acabar a festa a cantar, desafinado e fora de tempo, o tema “Depois de Ti Mais Nada”, para uma das empregadas de mesa.

Sentimental – Geralmente, mulher. Chora quando chega a noiva, quando se trocam alianças, quando um pombo faz cocó no chapéu da tia Esmeralda, quando se tira a fotografia de grupo, quando felicita os noivos pela 6.ª vez, quando se queima com a sopa (perdão, “creme de legumes”) e quando ouve o Decadente a cantar, desafinado e forma de tempo, o tema “Depois de Ti Mais Nada”, pensando que é para si, quando, na verdade, é para uma das empregadas de mesa.

Sobrevivente – Geralmente, homem. Temendo um desastre nuclear ou uma obra na quinta, que o impeça de sair durante três dias, este convidado come 26 rissóis, 34 camarões, 12 panados, uma chamuça (estavam demasiado picantes), 15 croquetes, 19 pedaços de broa com outras tantas rodelas de chouriço, um prato de sopa (perdão, “creme de legumes”), dois pratos de bacalhau, um de tornedó, doces diversos, fruta, não, que faz mal, bolo da noiva, não, que é muito doce, queijos, e depois de ter engordado 3 Kg num dia, acaba a festa a comer bifanas e caldo verde.

Cronista Social – Geralmente, mulher. Critica tudo. O vestido da noiva, o fato do padrinho do noivo, o chapéu da tia Esmeralda, a celulite (?!) daquela convidada muito bonita que está a arrasar corações, a comida, a decoração, a nódoa na camisa do Decadente (neste caso, a crítica até se pode aceitar) e a música. Está ali por obrigação. Festas a sério são em Paris. Sabe-o sem ter ido a nenhuma.

O tio de todos nós – Como o nome indica, é homem. O bigode é opcional. É a estrela entre os convidados. Tem piada, brinca com a família “do lado de lá” (toda a gente sabe que, em alguns casamentos, existe uma barreira invisível entre família/amigos do noivo e família/amigos da noiva; nos casamentos mais à antiga, pessoal dos dois lados até anda à chapada), faz brindes, dança com todas as mulheres (com a noiva, três vezes, e também com aquela velhota que quase deslocou a bacia a dançar kizomba). O tio de todos nós tem participação em tudo. Ou seja, está, para o casamento, como a Isabel dos Santos, para a economia portuguesa.

Mártir – Geralmente, homem. Não chega ao fim da cerimónia, por “cansaço” (na verdade, é por excesso de álcool, mas a desculpa é sempre o cansaço). Se chegar ao fim do casamento, é “ligado à máquina”, num canto qualquer.

Big Ben – Geralmente, a mãe da noiva. Está sempre a stressar. “Temos que ir para a igreja”, “Temos que tirar a fotografia”, “Temos que ir para a quinta”, “Temos que cortar a álcool àquele convidado que está a tirar a camisa”, “Temos que ir para as mesas”, “Tem que vir o bacalhau”, “Temos que dizer àquele convidado que não pode tirar as calças”, “Temos que abrir o bolo da noiva”… Depois do casamento, os noivos vão de lua-de-mel, enquanto que a mãe da noiva vai de férias, porque começou a stressar um mês antes da cerimónia e está exausta.

Trovador – Pode ser homem ou mulher. Canta, de forma épica, os feitos do noivo quando era criança. O falar e o andar cedo, as traquinices, aquele infeliz cocó no sofá, a ida para a escola, as vezes em que os professores fizeram queixa dele, aquela vez em que ele colou à carteira os cadernos de um colega de turma, aquela vez em que ele ficou, injustamente, com as culpas pelo carro do vizinho ter aparecido com os pneus furados… Se o trovador for um amigo do noivo, é melhor não o deixar beber, senão ele vai contar histórias comprometedoras. Caso ele já tenha começado a beber, matá-lo é a única solução.

As Spice Girls – Grupo de amigas histéricas da noiva. Não aguentam a emoção de ver a amiga casar. Ficam tão histéricas que, se pudessem, casavam no dia seguinte. Nem que fosse com um desconhecido.

Os Power Rangers – Grupo de amigos malucos do noivo. Sabem todos os podres do noivo. Sabem o que aconteceu na despedida de solteiro. Estão felizes, mas já estão a pensar em maneiras de tirar o amigo de casa, à Sexta-feira à noite.

Corcundas de Notre-Dame – Homem ou mulher. Trata-se do convidado que não tem educação nem se sabe comportar em sociedade. Fica horrível em roupa de gala. É como se o corpo dele entortasse, para protestar por causa da roupa. A única altura em que a roupa lhe fica bem é quando cai a primeira nódoa.

Feliz – Homem ou mulher. Sempre terminou e sempre terminará os casamentos com a frase “Correu tudo bem”.

Comentários