segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Queimar notas faz calor

Luoyang é uma cidade chinesa onde é utilizado um método pouco convencional de obtenção de energia: icineração de notas que já estão fora de circulação. Uma investigação do Texto Incompleto permitiu descobrir que houve um longo processo, durante o qual foram testadas várias formas de produzir energia, até ser descoberta esta técnica.

(Thomas's Pics/Flickr)

Primeira fase: muitos habitantes a correr em cima de passadeiras
Esta fase até começou bem. Dava para alimentar a cidade e vender alguma energia à cidade vizinha. Depois, acabou o Verão e o pessoal começou a desleixar-se, a não querer saber se tinha mais um bocado de barriga, e começou a ficar com preguiça. Em pouco tempo, apenas duas pessoas corriam nas passadeiras. E só para provar que, mantendo aquele movimento infinitamente, uma atrás da outra, nunca iriam colidir.

Segunda fase: todos os habitantes davam um salto, às 10h30 e às 18h30
Nunca chegou a correr bem: o pessoal tinha os relógios dessincronizados. O que acabou por provocar vários terramotos, tanto em Luoyang como nas cidades vizinhas. Gerou energia, mas gerou mais estragos.

Terceira fase: tudo a dançar kizomba, às 10h30 e às 18h30
Esta técnica foi a que mais produziu calor, mas teve que ser abandonada, porque produziu, sobretudo, muitos bebés. Este pessoal asiático, pouco habituado à sensualidade das danças africanas, reproduziu-se desenfreadamente. Os responsáveis políticos da cidade fizeram as contas: mais energia, mas mais povo para aquecer, se calhar, não compensava.

Quarta fase: toda a gente fazia um churrasco ao mesmo tempo
Esta técnica até teve algum ganho energético, mas foi desastrosa para a saúde pública. Os autocarros e as carruagens do metro tiveram que ser aumentadas, porque todas as pessoas ficaram gordas. Gastava-se imensa gasolina nos transportes. Tiveram que esperar pelo Verão, para que toda a gente voltasse às passadeiras.

Um dia, um líder local, multimilionário, vinha bêbado pela rua e começou a queimar notas, virado para um bar, para mostrar que era muito rico. Estava uma noite de Inverno e algumas pessoas aproximaram-se da fogueira, por causa do calor.

- E se usássemos notas para produzir calor? – Perguntou um gajo.

- Ei, pois é, queimávamos notas velhas. – Respondeu uma mulher.

- Eu estava a pensar em usar as notas para comprar aquecedores, mas tiveste uma boa ideia. – Respondeu o gajo.

Hoje, o método é um sucesso. Mas ainda há duas pessoas nas passadeiras, a tentarem provar que não vão colidir, mesmo que corram para sempre.

Sem comentários:

Enviar um comentário