sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O robô mais humano

O Poppy é um robô humanóide, feito numa impressora 3D.

(Se eu tivesse uma impressora 3D, fazia uma nave espacial. Ou um “transformer”. Não que eu quisesse um carro para combater vilões, era mais porque um “transformer” é mais fácil de estacionar. Se não houver lugares na rua, ele pode subir para o topo de um prédio e ficar lá à minha espera.)

O Poppy funciona com código de programação aberto, ou seja, qualquer pessoa o pode programar, de acordo com a utilização que pretende dar ao robô. Isto faz-me pensar que, se o robô se adaptar ao seu dono, podem surgir situações interessantes.

(www.poppy-project.org)

Imaginem que o Poppy é comprado pelo sr. Joaquim, um indivíduo com um índice moderado a forte de saloiice. O nome do robô seria imediatamente alterado para “Bobby”.

O Bobby deixaria de ser um especialista em cálculo integral, aritmética, álgebra e geometria, e passaria a saber contar cartas na sueca, o onze do Benfica ou a conduzir uma Zundapp.

O Bobby passaria a resolver as questões à chapada. Não precisaria de aceder à net, a não ser para ver uns vídeos de boxe no Youtube.

Uma das vantagens deste robô, segundo a equipa que o construiu, é a possibilidade de o utilizador o reconfigurar. Como é evidente, o sr. Joaquim iria remover algumas partes do processador do Bobby e iria trocá-las por mais hidráulicos nos braços (para o robô ser bom à porrada) e por um “escape com duas bufadeiras” (para que o robô se “peidasse como um homem”).

O Poppy pode interagir com outros aparelhos. Para o sr. Joaquim, o Bobby deverá apenas conseguir interagir com o assador, para se tornar um especialista em fêveras, “barriguinhas” e sardinhas.

O Bobby será mais humano do que qualquer outro robô. Não por ser do Benfica, por saber assar sardinhas ou por se peidar. Será mais humano porque, caso não o fosse, o sr. Joaquim mandá-lo-ia para a sucata. Ou trocá-lo-ia por uma Zundapp melhor.

Sem comentários:

Enviar um comentário