Os condutores da nossa paixão

O Governo Britânico anunciou que os carros sem condutor vão poder ser testados no Reino Unido, a partir de Janeiro de 2015. Se houver ideias de fazer o mesmo em Portugal, e para que não haja um choque na população, ao passar de carros com condutor para carros sem condutor, eu propunha uma transição com robôs. Como é evidente, os robôs teriam que reproduzir fielmente alguns estilos de condução, que passo a elencar.

(Bart/Flickr)

O Filósofo
Pára em qualquer lado. Pode ter oito carros atrás dele, mais o camião do lixo e um navio de carga, se ele decidir que deve parar ali, para reflectir sobre teorias políticas ou epistemológicas, sobre o formalismo ou sobre o onze do Benfica, ele pára o carro. Não expresses o teu desagrado com ele: quem tem sempre razão não admite correcções. Estes condutores são fundamentais. Para a Filosofia, não para a estrada.

O “Flash”
Conduz a grande velocidade e ultrapassa pela esquerda, pela direita, por cima, por baixo e pelo hiperespaço. Arrisca a vida dele e dos outros por míseros segundos. Depois, encontra-lo no semáforo, ao teu lado. Olhas para ele e pensas: “Estúpido”. Ele não pensa, porque não consegue.

O Geómetra
Tu passas meia hora à procura de estacionamento, ele estaciona dentro da casota de um cão. Num galinheiro. No bolso do casaco. Em último caso, em cima do passeio. Nunca, mas nunca, deixa o carro bem estacionado. Tu procuras espaço, ele rouba. Tu cumpres a lei, ele cospe-lhe.

O “Dalai Lama”
Conduz a uma média de 15 quilómetros por hora. Pergunta, com frequência, duas coisas: “Qual é o sentido da vida?” e “Estou a conduzir?”.

O “Che Guevara”
Tirando ele, nada está bem: a estrada está mal feita, os semáforos estão mal posicionados, a polícia faz caça à multa, os outros condutores são necas. O Mundo é uma merda, para conduzir. Para este condutor, “auto-crítica” é o nome de uma revista de automóveis.

Poderia citar mais tipos, mas se combinarem estas cinco características, de diversas formas, já conseguirão representar 98% dos condutores portugueses.


No mínimo.

Comentários