terça-feira, 26 de agosto de 2014

Eu não sei andar de bicicleta

Saber andar de bicicleta era a segunda habilidade que eu mais gostava de ter. A primeira era saber treinar equipas de voleibol. Mais propriamente, equipas femininas. Se possível, tentaria ter sucesso também desportivamente.

(Gigi C./Flickr)
Mas era fixe saber andar de bicicleta. Em miúdo tentei, mas aquilo parecia-me tão difícil como deslocar-me entre dois arranha-céus, por cima de uma corda, tentando segurar quinze pratos numa mão e um gira-discos na outra (com um disco do Demis Roussos a tocar).

Por isso, depois de alguns dias a tentar aprender a andar de bicicleta, desisti e procurei passar o meu tempo com algo mais fácil: Astrofísica.

Hoje, andar de bicicleta está na moda. Como não sei andar, posso sempre dizer que “andar de bicicleta está muito batido”, que é o que fazem as pessoas aborrecidas quando alguém ou alguma coisa atingem algum sucesso.

(Neste ponto do texto, reparo que tenho uma certa tendência para escrever “bicilceta”. Deve ser por ser uma palavra complicada e não por eu ser estúpido.)

O conceito das rodinhas nas bicicletas fascina-me. E se existisse um dispositivo de lógica semelhante para nos ajudar a caminhar, quando bebemos um copo a mais? E se existissem rodinhas para as crianças, quando estão a aprender a andar? E se existissem umas rodinhas para aqueles jogadores de futebol muito fracos?

Cada vez há mais especialistas no mundo das bicicletas. Os capacetes são muito profissionais, as bicicletas têm tracção às quatro, jantes de liga leve, gps, abs e yhgjkft.

(Este último pode não existir.)

Os ciclistas dos tempos modernos têm tanto equipamento que alguns chegam a comprar outra bicicleta só para o transportar.

Fazem percursos difíceis, que implicam grande risco de lesão. Não pela possibilidade de quedas, mas porque são monótonos e alguns ciclistas adormecem.

Podíamos arranjar um sistema para produzir electricidade a partir dos movimentos das pedaleiras. Mas, talvez, só teríamos produção de electricidade ao Domingo de manhã.

Apesar de tudo, eu acho que andar de bicicleta é fácil. Desde que o planeta esteja quieto, o que, segundo Galileu, é pouco provável.

Tenho pena de não saber andar de bicicleta. Em compensação, nunca caí a descer o monte.

Sem comentários:

Enviar um comentário