segunda-feira, 18 de agosto de 2014

As festas são sempre iguais

Nunca ficaram com a sensação de que todos os jantares de amigos, seguidos de diversão nocturna, têm um guião já escrito e que será cumprido à risca? Tal como os orçamentos do Estado. Esperem, não era este o exemplo. Era “tal como os concursos públicos”: já está tudo decidido, ainda antes da decisão.

(JD Hancock/Flickr)
Há sempre um amigo que come desmesuradamente. Come tanto que pede entradas antes das entradas. Esse amigo tem, geralmente, a barriga tão grande que fica sempre duas mesas atrás. Perdemos na possibilidade de conversar com ele, mas ganhamos quando ele se peida.

A comida é sempre lombinhos com “champignon”. Ainda bem, porque eu detesto cogumelos. Mas é sempre a mesma comida. É como as eleições em Portugal: por muito que escolhas, acabas sempre a comer a mesma merda. O vinho é como o dinheiro disponibilizado para obras públicas: nunca chega.

Aliás, o teu orçamento sofre sempre derrapagens. Não é a única derrapagem da noite, uma vez que, à medida que a noite avança, a tua aderência ao piso começa a ser mais fraca.

Os homens só se portam bem à mesa quando há um jantar de mulheres, na mesa do lado. Chegam a perder a cabeça, em questões de bom comportamento. Diz-se que há homens que chegam a usar talheres.

Depois, vai tudo para uma discoteca. Há montes de pessoas alcoolizadas. São todas muito agradáveis. Sobretudo, quando desmaiam. Há muitos encontrões. Gosto de andar aos encontrões, principalmente, aos bêbados que ainda não desmaiaram.

A música é contagiante e obriga-nos a dançar. Está tão alta que mexemos só com a vibração.

Os rituais de acasalamento são bonitos, mas têm um problema: os seguranças interrompem sempre a pancadaria entre machos-alfa.

Tenho um amigo que diz que os preços da noite são proibitivos. É mentira: podes beber o que quiseres. O máximo que pode acontecer é não teres dinheiro para pagar. Mas, antes, bebeste tudo o que querias…

A noite tem muito estilo. Há roupas que só podem ser usadas numa discoteca. Porque está escuro. Há mulheres que usam vestidos demasiado curtos e passam a noite a segurar neles. Tentar ser sexy a segurar permanentemente o vestido tem o mesmo resultado que tentar acelerar carregando no travão.

No fim da noite, houve peripécias, mas foi tudo exactamente igual às outras noites em que houve peripécias. Tu não reparas no padrão, nas 24 horas seguintes, que é o tempo de que precisas para que o teu cérebro volte a funcionar.

Sem comentários:

Enviar um comentário